21 Lições para o século XXI

Resumo – 21 Lições para o Século XXI

Capítulo1 (Pág.(23-40)) (16/11/2021)

Desilusão

O autor começa por afirmar que “os humanos pensam em histórias, e não em factos, números ou equações, razão pela qual as histórias comunistas, fascistas e liberais do século 20 foram tão poderosas”. Quanto mais simples for a história, melhor. É Importante tornarmos as nossas histórias simples. Enquanto o século 20 envolveu três sistemas políticos, o século 21 introduz novas histórias e classes, a de humanos, super-humanos e inteligência artificial. Inteligência artificial á medida que a IA se torna mais sofisticada, ela cria classes de humanos; super-humanos que são aumentados pela tecnologia. Dando o exemplo como Elon Musk apontou em um episódio recente da Experiência Joe Rogan, já aumentamos, há apenas uma desconexão e a taxa de dados está muito lenta. Embora haja muita resistência contra a história liberal hoje, Harari diz que no final do dia a humanidade não abandonará a história liberal porque não tem alternativas viáveis.

Capítulo2 (Pág.(41-68))

Trabalho -“Quando fores Grande, talvez não tenhas Profissão”

Neste capítulo Harari diz que quanto melhor entendermos os mecanismos bioquímicos que sustentam as emoções, desejos e escolhas humanos, melhores computadores podem analisar o comportamento humano, prevendo decisões humanas e substituindo profissões humanas, como banqueiros e advogados. Pelo menos em algumas linhas de trabalho, pode fazer sentido substituir todos os humanos por computadores, mesmo que, individualmente, alguns humanos ainda façam um trabalho melhor do que as máquinas. O autor dá o exemplo na condução automóvel que nenhum carro que dirige sozinho tem acidentes por vias de álcool ou até mesmo excesso de velocidade casos que ocorrem com o ser humano. No entanto, Harari insiste que muitos empregos são um trabalho enfadonho e pouco inspirador que não vale a pena salvar. Ele prossegue, afirmando que “devemos nos concentrar em atender às necessidades básicas das pessoas e proteger o status social e a autoestima”, dando o exemplo que ao invés de cidadãos pagarem rendas de casa ao estado estes ficavam isentos de essa renda e utilizavam esse dinheiro para a educação e recursos básicos de seus filhos.

Capítulo3(Pág.(70-98))(22/11/2021)

Liberdade -“A Big Data está de olho em ti”

Neste capítulo Harari aborda vários temas relacionados como a democracia e o voto, a liberdade, verdade e a guerra e algoritmos.

‘Democracia e o voto’– Harari afirma que, para o bem ou para o mal, as atualizações e os referendos não têm a ver com o que pensamos. Eles são sobre o que sentimos. Aborda a referência em queWinston Churchill diz que “a democracia é o pior sistema político do mundo, exceto para todos os outros”. Certa ou incorretamente, as pessoas podem chegar às ferramentas sobre big data para algoritmos que podem vir a controlar o mundo. Eles podem ter muitos bugs, mas não temos alternativa melhor.

‘Verdade’– Harari coloca de forma simples; a verdade hoje é definida pelos principais resultados da pesquisa do Google. Em algoritmos de big data, assim que começarmos a contar com a IA para decidir o que estudar, onde trabalhar e com quem casar, vantagens democráticas e mercados livres farão pouco sentido.

‘Psicologia e IA na guerra’ -Harari aborda a guerra de 16 de março de 1968 e compara como emoções de um ser humano aos robôs e como agiam onde estes eram os soldados. Uma companhia de soldados americanos enlouqueceu na aldeia sul-vietnamita de My Lai e massacrou cerca de 400 civis . Foi uma falha das emoções humanas. Se os EUA tivessem robôs assassinos no Vietnã, o massacre nunca teria ocorrido. No entanto, se os EUA tivessem robôs assassinos, a guerra pudesse ter se arrastado por muitos mais anos, porque o governo americano teria menos preocupações sobre a moral dos soldados ou grandes manifestações anti-guerra.

‘Algoritmos e finanças pessoais ‘-Quando você o aplica ao seu banco para um empréstimo, é provável que seu aplicativo seja processado por um algoritmo, e não por um ser humano. O banco pode se recusar a dar a você sozinho e você questiona por que e o banco responder, “algoritmo disse não”. Nenhum ser humano entende o algoritmo porque ele é baseado em aprendizagem de máquina avançada, mas confiamos em nosso algoritmo, “por isso não lhe daremos um empréstimo”.

Capítulo4(Pág.(99-110))

Equidade -“Quem Detiver a informação detém o futuro”

Neste cápitulo o autor não aborda o tema de uma forma mais profunda, simples mente diz que:

Aqueles que possuem os dados são os donos do futuro. Harari diz que, ao contrário de terrenos e máquinas, os dados estão em todos os lugares e em nenhum lugar ao mesmo tempo, eles podem se mover na velocidade da luz e você pode criar quantas cópias quiser. Portanto, é melhor chamarmos nossos advogados, políticos, filósofos e até poetas para voltarem sua atenção para este enigma.